Racionamento é um desastre anunciado

Racionamento é um desastre anunciado

Se os enormes potenciais hidrelétrico, eólico, fotovoltaico e bioenergético disponíveis no Brasil fossem aproveitados criteriosamente, toda a energia consumida no país poderia vir de fontes renováveis e não poluidoras.
 
No entanto, a presidente Dilma Rousseff, confirmando a sua total ignorância em matéria de energia, vetou a entrada de fontes renováveis (exceto a hidráulica) na matriz prevista no Plano Plurianual 2016-2019, desabonando assim o compromisso que assumiu na COP 21, no final do ano passado.
 
Embora as vazões dos rios brasileiros estejam caindo ano a ano, cerca de 70% da energia elétrica brasileira ainda vem de usinas hidrelétricas. A presente recessão implica uma queda na demanda de eletricidade que nos livra de racionamentos. Uma possível recuperação da economia, no entanto, será dificultada por frequentes apagões.
 
As bacias dos rios São Francisco, Paraíba, Tietê, Paraná e Iguaçu são devastadas pela pecuária, pelas plantações de soja e cana e pelas serrarias. As mudanças climáticas comprometem ainda mais suas vazões.
 
No caso do São Francisco, a situação é especialmente grave. Sua nascente, na serra da Canastra, em Minas Gerais, está devastada, assim como as matas que margeavam os rios da região. Essa é uma das causas da escassez de água, que já aflige algumas cidades. Todavia, não se vê nenhum dignitário falar do desastre anunciado que será a perda destas extraordinárias riquezas: a abundância de água e de hidreletricidade.
 
Em vez de agirem para preservar as bacias hidrográficas, mediante estímulos ao reflorestamento das nascentes e margens dos rios, o governo e as empreiteiras agravam o quadro, insistindo no projeto de transposição de águas do São Francisco.
 
Atualmente, o fluxo médio deste rio, ao longo do ano, é da ordem de 2.900 m³/s (metros cúbicos por segundo) mas, durante a estação seca, é de apenas 1.000 m³/s. O projeto prevê a retirada de 280 m³/ s, portanto, durante esta estação, a transposição "sangrará" 28% do fluxo de um rio moribundo.
 
Não contente com isso, o governo pensa em implantar centrais nucleares, precisamente quando esta opção é abandonada por países da vanguarda tecnológica, como Alemanha, Bélgica, Suíça e Japão, que reativou apenas 3 centrais nucleares, das mais de 50 que operavam antes da catástrofe de Fukushima.
 
Os adeptos da opção nuclear (como eu já fui, no passado) apontam a intermitência dos ventos e das radiações solares como desvantagem das fontes renováveis.
 
Ocorre que o aproveitamento das fontes renováveis pode ser muito aperfeiçoado, começando pela implantação de malhas inteligentes para interligar usinas hidrelétricas com parques eólicos e instalações fotovoltaicas, permitindo que as energias eólica e fotovoltaica fiquem parcialmente "armazenadas" nos reservatórios hidráulicos.
 
Com isso, aumenta o fator de capacidade do sistema interligado e compensa a intermitência dos ventos e das radiações solares.
 
Como uma carteira de ações na bolsa de valores, a produção conjunta de todos os parques varia menos do que as produções de cada parque, isoladamente.
 
Por fim, a eficiência dos painéis solares e das turbinas eólicas pode ser melhorada.
 
Fonte: Folha de São Paulo (24/02/2016)

See also

Geral

27.07.22

Walfrido Avila é uma das 100 personalidades mais influentes do setor de energia

Press Release

04.07.22

Nova Lei do Gás: Tradener e Compagas viabilizam a primeira importação de gás e inauguram o Mercado Livre

Na Mídia

04.07.22

Tradener é destaque editorial na imprensa pela divulgação do primeiro contrato que inaugura o mercado livre do gás no Brasil.

Geral

21.06.22

O que faz um profissional que trabalha com comercialização de energia?

Geral

07.06.22

Tradener alcança certificação Great Place to Work pela segunda vez

Na Mídia

17.05.22

Barra Bonita é destaque em jornal Gazeta do Povo do PR

Geral

04.05.22

Tradener investe em energia limpa e renovável para um mundo em transformação

Setor Energético

28.04.22

Brasil alcançou a 6ª posição em ranking de energia eólica

Geral

27.04.22

Mês da criatividade e inovação com protagonismo da Tradener

07.04.22

Cidade de Pindaí onde empresa do grupo tem parque eólico celebra 60º aniversário

Setor Energético

23.03.22

Como a meteorologia impacta os preços da energia elétrica no Brasil?

Press Release

22.03.22

Tradener propõe Plano Nacional de 100 PCHs com geração de até 1 milhão de empregos

Press Release

22.03.22

Tradener fecha contrato inédito com a YPFB para trazer gás natural boliviano ao Brasil.

Press Release

22.03.22

Tradener cresceu quase 60% suas vendas de energia em MWh em 2021

Press Release

22.03.22

Tradener aumentou em 103% sua compra de energia no longo prazo.

Setor Energético

22.03.22

A importância da água na geração de energia elétrica.

Setor Energético

15.03.22

O que esperar da micro e mini geração distribuída x incentivos e crescimentos projetados?

Gás

07.03.22

Tradener fecha contrato inédito com a YPFB para trazer gás natural boliviano ao Brasil.

Setor Energético

22.02.22

PDE 2031: qual é a tendência da Matriz Energética Nacional para a próxima década?

Geral

17.02.22

Sua empresa está preparada para descarbonizar?

Setor Energético

10.02.22

Como está o processo de geração de energia eólica em mar brasileiro?

Setor Energético

09.02.22

A influência das chuvas na geração de energia eólica

Setor Energético

02.02.22

Energia Renovável no Brasil, o que esperar para os próximos anos?

25.01.22

Parabéns, São Paulo da garoa, da terra boa e da energia solar!

Geral

10.11.21

Como é o mercado de trabalho no setor de energia?

Mercado Livre

11.08.21

Como alcançar mais previsibilidade na fatura de energia elétrica?

Geral

25.03.21

Energia Eólica no Brasil e no mundo

Setor Energético

20.05.22

Chuvas de março melhoram afluência da região Sul

%d bloggers like this: