PDE 2031: qual é a tendência da Matriz Energética Nacional para a próxima década?

A capacidade instalada de geração do Brasil deve passar de 200 GW em 2021 e atingir 275 GW em 2031, segundo a versão do Plano Decenal de Expansão de Energia 2031 (EPE) em Consulta Pública MME até 23/fev/2022. Seguindo a tendência dos últimos documentos publicados, a participação hidráulica na matriz energética nacional perde predominância e abre espaço para outras fontes renováveis, sendo sua projeção estimada em 45% para 2031. O estudo também lança mão de melhorias metodológicas importantes, tais como: consideração da crise hídrica com base em 2020-2021, uso das restrições operativas hidráulicas nas simulações, aplicação do programa de resposta da demanda, consideração da ampliação/modernização do parque hidrotérmico existente e ampliação do parque gerador considerando fontes a base de resíduos sólidos urbanos (RSU), eólicas offshore e hidrelétricas reversíveis.

Pelo gráfico abaixo (conforme PDE 2031) podemos observar a evolução para os próximos 10 anos da capacidade instalada no Brasil discretizada por fonte. É possível visualizar o domínio das fontes renováveis, com previsão para compor 83% da capacidade de geração através das fontes: hidráulica, biomassa, eólica e solar. No entanto, apesar do plano focar em gerações menos poluentes, a representatividade das térmicas não renováveis (gás natural, carvão, óleo combustível e diesel) deve continuar em um patamar considerável de 12% com relação ao total da matriz elétrica nacional. O destaque vai para a consideração de térmicas inflexíveis compulsórias compondo uma reserva de potência para atendimento à demanda e a expectativa de um incremento da geração nuclear, com perspectiva de aumento de 1% na base da matriz total com a implementação de Angra 3 (1.405 MW) em 2027 e uma quarta usina nuclear, com potência prevista em 1.000 MW em 2031. Outro ponto importante é a consideração do novo marco legal da Micro e Minigeração Distribuída (MMGD), através da lei 14.300/2022, com a previsão de aumento na capacidade instalada de 8 GW em 2021 para 37 GW em 2031, ou seja, a representação da MMGD e da autoprodução no cenário de geração nacional deve crescer de 8% para 17% nos próximos 10 anos, somando 7,2GWméd de geração.

Através dos dados citados acima, é perceptível a busca por uma matriz de geração no Brasil que represente melhor as condições mundiais idealizadas de baixo consumo de carbono, maior foco na preservação do meio ambiente e maior eficiência no uso dos recursos energéticos. Porém é preciso enfatizar pontos que ainda carecem de melhor planejamento, entre eles: a decisão de manter geração compulsória térmica através de fontes mais poluentes para atendimento à demanda ao em vez de atender essa carga por meio de energia renovável (eólicas e solares), grandes incertezas quanto a real capacidade de expansão da fonte nuclear ao final do horizonte do plano decenal haja vista experiências anteriores de atrasos na expansão e incertezas na viabilização da capacidade de transmissão para integração e escoamento de geração das diversas fontes energéticas.

Texto elaborado pela colaboradora Ariane Teixeira Klingelfus

Veja também

Geral

21.06.22

O que faz um profissional que trabalha com comercialização de energia?

Geral

07.06.22

Tradener alcança certificação Great Place to Work pela segunda vez

Na Mídia

17.05.22

Barra Bonita é destaque em jornal Gazeta do Povo do PR

Geral

04.05.22

Tradener investe em energia limpa e renovável para um mundo em transformação

Setor Energético

28.04.22

Brasil alcançou a 6ª posição em ranking de energia eólica

Geral

27.04.22

Mês da criatividade e inovação com protagonismo da Tradener

07.04.22

Cidade de Pindaí onde empresa do grupo tem parque eólico celebra 60º aniversário

Setor Energético

23.03.22

Como a meteorologia impacta os preços da energia elétrica no Brasil?

Press Release

22.03.22

Tradener propõe Plano Nacional de 100 PCHs com geração de até 1 milhão de empregos

Press Release

22.03.22

Tradener fecha contrato inédito com a YPFB para trazer gás natural boliviano ao Brasil.

Press Release

22.03.22

Tradener cresceu quase 60% suas vendas de energia em MWh em 2021

Press Release

22.03.22

Tradener aumentou em 103% sua compra de energia no longo prazo.

Setor Energético

22.03.22

A importância da água na geração de energia elétrica.

Setor Energético

15.03.22

O que esperar da micro e mini geração distribuída x incentivos e crescimentos projetados?

Gás

07.03.22

Tradener fecha contrato inédito com a YPFB para trazer gás natural boliviano ao Brasil.

Setor Energético

22.02.22

PDE 2031: qual é a tendência da Matriz Energética Nacional para a próxima década?

Geral

17.02.22

Sua empresa está preparada para descarbonizar?

Setor Energético

10.02.22

Como está o processo de geração de energia eólica em mar brasileiro?

Setor Energético

09.02.22

A influência das chuvas na geração de energia eólica

Setor Energético

02.02.22

Energia Renovável no Brasil, o que esperar para os próximos anos?

25.01.22

Parabéns, São Paulo da garoa, da terra boa e da energia solar!

Geral

10.11.21

Como é o mercado de trabalho no setor de energia?

Mercado Livre

11.08.21

Como alcançar mais previsibilidade na fatura de energia elétrica?

Geral

25.03.21

Energia Eólica no Brasil e no mundo

Setor Energético

20.05.22

Chuvas de março melhoram afluência da região Sul

%d blogueiros gostam disto: