ABRADEE – energia industrial brasileira é a 6ª mais cara entre países da OCDE

ABRADEE - energia industrial brasileira é a 6ª mais cara entre países da OCDE

A tarifa de energia da indústria atingiu o patamar de R$ 528,50 por megawatt-hora (MWh), a sexta mais alta entre países da OCDE, de acordo com levantamento da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee). Em dólar, a tarifa é de US$ 151 e só perde para países como Itália, Alemanha, Japão, Reino Unido e Espanha. E é mais alta do que a de países como Grécia, França, Turquia, Dinamarca, Canadá, Suécia, Estados Unidos e Coreia do Sul.
 
De 2014 para 2015, o Brasil ganhou uma posição nesse ranking, ultrapassando a Grécia. O avanço só não foi maior porque o real perdeu valor em relação ao dólar neste ano, o que diminuiu o impacto da tarifa. A comparação considera as tarifas de agosto, um dólar de R$ 3,50 e incluiu impostos.
 
Já a conta de luz do consumidor residencial chegou a R$ 609,00 por MWh. Na comparação com outros países da OCDE, a tarifa no País é a décima mais alta. Em dólar, está em US$ 174 por MWh. No ranking, o Brasil perde para Dinamarca, Alemanha, Espanha, Itália, Reino Unido, Japão, Grécia, Suécia e França, mas ganha da Turquia, Estados Unidos, Coreia do Sul e Canadá.
 
Inflação
 
Com base em dados do IPCA, a Abradee informou que a tarifa de energia elétrica residencial acumula uma alta de 797% de janeiro de 1994 a junho de 2015, menos que o salário mínimo, gás de cozinha e aluguel, e mais que o transporte público, comunicação, serviços pessoais, plano de saúde, alimentação fora de domicílio e gasolina.
 
De acordo com o presidente da Abradee, Nelson Leite, o Índice de Satisfação com a Qualidade Percebida (ISQP) foi de 77,3%. No ano passado, o índice foi de 78,9%. Em relação a 15 países da América Latina e Caribe, o índice ficou acima da média de 74,5%.
 
Na comparação com os Brics, a qualidade de fornecimento de energia atingiu 4,1. A nota variava de 1 a 7. A nota é melhor que a da Índia (3,4) e da África do Sul (3,6), mas pior que Rússia (4,8) e China (5,2).
De acordo com a Abradee, na conta de luz, 41% pagam a geração de energia, 40% os encargos setoriais, 16% as empresas de distribuição e 3% a transmissão.
 
Fonte: A Tarde (03/12/2015)

Veja também

Geral

21.06.22

O que faz um profissional que trabalha com comercialização de energia?

Geral

07.06.22

Tradener alcança certificação Great Place to Work pela segunda vez

Na Mídia

17.05.22

Barra Bonita é destaque em jornal Gazeta do Povo do PR

Geral

04.05.22

Tradener investe em energia limpa e renovável para um mundo em transformação

Setor Energético

28.04.22

Brasil alcançou a 6ª posição em ranking de energia eólica

Geral

27.04.22

Mês da criatividade e inovação com protagonismo da Tradener

07.04.22

Cidade de Pindaí onde empresa do grupo tem parque eólico celebra 60º aniversário

Setor Energético

23.03.22

Como a meteorologia impacta os preços da energia elétrica no Brasil?

Press Release

22.03.22

Tradener propõe Plano Nacional de 100 PCHs com geração de até 1 milhão de empregos

Press Release

22.03.22

Tradener fecha contrato inédito com a YPFB para trazer gás natural boliviano ao Brasil.

Press Release

22.03.22

Tradener cresceu quase 60% suas vendas de energia em MWh em 2021

Press Release

22.03.22

Tradener aumentou em 103% sua compra de energia no longo prazo.

Setor Energético

22.03.22

A importância da água na geração de energia elétrica.

Setor Energético

15.03.22

O que esperar da micro e mini geração distribuída x incentivos e crescimentos projetados?

Gás

07.03.22

Tradener fecha contrato inédito com a YPFB para trazer gás natural boliviano ao Brasil.

Setor Energético

22.02.22

PDE 2031: qual é a tendência da Matriz Energética Nacional para a próxima década?

Geral

17.02.22

Sua empresa está preparada para descarbonizar?

Setor Energético

10.02.22

Como está o processo de geração de energia eólica em mar brasileiro?

Setor Energético

09.02.22

A influência das chuvas na geração de energia eólica

Setor Energético

02.02.22

Energia Renovável no Brasil, o que esperar para os próximos anos?

25.01.22

Parabéns, São Paulo da garoa, da terra boa e da energia solar!

Geral

10.11.21

Como é o mercado de trabalho no setor de energia?

Mercado Livre

11.08.21

Como alcançar mais previsibilidade na fatura de energia elétrica?

Geral

25.03.21

Energia Eólica no Brasil e no mundo

Setor Energético

20.05.22

Chuvas de março melhoram afluência da região Sul

%d blogueiros gostam disto: